Marcelo Cezar

Espiritualidade independente e respeito às diferenças.


5 Comentários

Aceitar o que não se pode mudar

Imagem

Reencarnamos com o propósito de suprir nossas necessidades emocionais. A vida é uma grande escola e nos dá a chance de adquirir discernimento e equilíbrio por meio de uma série de experiências, que iremos julgar como boas ou ruins. Ela [a vida] nos dá um corpo, moldado de acordo com o teor dos pensamentos que nosso espírito aceita como verdade, nos dá uma família, nos permite nascer em determinado lugar, tudo de acordo com o teor de nossas crenças e posturas adquiridas ao longo de várias encarnações.
Infelizmente, muitos não aceitam as condições nas quais reencarnaram no planeta. Culpam o corpo (suas limitações ou falta de saúde), culpam os pais (por não serem os pais “escolhidos”), culpam o país (porque deveriam ter nascido num país mais “civilizado”), esquecendo que a vida nos dá o que merecemos.

Partindo desse ponto de vista, precisamos parar e refletir. Eu pergunto: você aceita com facilidade o que não pode mudar ou briga com todos ao seu redor porque as coisas não são como você quer?

O melhor que você pode fazer é começar a sentir com o coração e parar de dar tanta atenção à mente, porque, segundo um espírito amigo, “a mente mente”. A mente abriga pensamentos nossos e dos outros, encarnados ou desencarnados.

Largue a mente por alguns instantes, coloque a mão em seu coração e sinta a pulsação, sinta-se vivo. Agradeça à vida por estar aqui e ter a oportunidade de crescer, agradeça a oportunidade de melhorar a relação com seus pais, aproveite para vibrar positivamente pelo seu país. É fácil reclamar dos políticos, dos corruptos, dos descasos com a sociedade e nada fazer para mudar. Um pensamento positivo acerca do nosso país já é um bom começo para criar condições a fim de que outras mentes, também ligadas no bem maior, possam se unir e criar um elo forte de mudanças positivas para o nosso povo.

Aceitar o que não se pode mudar não traz sensação de fracasso. Muito pelo contrário, aceitar o que não se pode mudar revela sabedoria e amadurecimento espiritual, é um grande aliado para a evolução de nosso espírito e o caminho certo para conquistarmos a felicidade e a paz tão desejadas.

Abençoe seu corpo, abençoe sua família, abençoe seu emprego e a cidade onde vive. Depois, faça suas escolhas e siga seu caminho de conquistas e realizações.

Boa sorte!

Anúncios


2 Comentários

Ao morrer, um artista continua produzindo suas obras?

Geralmente, quando um artista morre, continua seu trabalho artístico no mundo extrafísico. Pintores, artistas plásticos, atores, músicos, cantores, escritores e todos aqueles que lidam com a arte de alguma forma, continuam a produzir suas obras na outra dimensão.

Marco Aurélio [meu parceiro espiritual que me traz as histórias dos romances] já me dizia algo semelhante em relação aos escritores, à época que iniciamos nossa parceria na escrita, há mais de trinta anos. Claro que alguns desses cultivadores das belas-artes, ao constatarem que há vida após a vida, deslumbram-se de tal maneira que deixam por algum tempo de produzir suas obras e partem para outros tipos de experiências, colocando a sensibilidade da alma em contato com outras formas de manifestação artística.

Outros, perturbados emocionalmente, morrem muito mal e passam longos períodos em tratamento hospitalar, limpando-se das energias tóxicas de seus próprios pensamentos pesados e destrutivos. Estes, geralmente, são artistas que, ao morrer, também têm suas obras logo esquecidas ou são aqueles que logo o público esquece. Parece que nunca passaram pelo planeta.

Já aquele que morreu e se recupera rapidinho, toma logo consciência da nova realidade, não entra em pânico, aceita a “morte” numa boa e segue adiante sua nova trajetória, tem sua obra reconhecida, o público sente muito a sua morte; o artista recebe uma centena de homenagens e sua obra não para de ser reeditada (no caso de um cantor/músico, por exemplo) ou seus filmes sempre são reprisados ou relembrados com muito carinho, no caso de um ator/atriz.

Às vezes, o artista morre, fica mal, sua obra ou ele é esquecido do público, porque a energia dele não está nada boa e ele está revoltado, perturbado, não quer saber de nada, nega a obra que fez, não dá valor ao que construiu na Terra, essas crises todas… e então, depois de dez, vinte, trinta anos ele melhora, fica bem, sai do surto, resolve voltar a cantar, a atuar, dirigir, pintar, e esse ato no astral reflete rapidinho aqui no planeta. É aquela situação que ocorre, por exemplo, quando um artista é “redescoberto”. De repente, alguém redescobre fulando, ou a obra de sicrano é resgatada, a filmografia do ator tal é considerada uma obra-prima, a musicalidade do cantor tal é vista por uma nova geração como algo de genialidade sem precedentes e por aí vai. O artista passa a ser valorizado da noite para o dia, ganha uma dimensão até maior do que quando tivera em vida. Por quê? Porque ele está muito, mas muito bem do lado de lá.

Quem tem me falado muito sobre esses assuntos é o meu amigo Túlio. Desencarnado descolado, nas horas vagas ele sempre vai com a sua namorada a um concerto, um show, uma peça de teatro lá na cidade astral onde mora. Não costuma me dizer o nome dos artistas que vê nos palcos atuando ou cantando; Túlio é discreto, não precisa ficar fazendo alarde, dizendo que viu fulando de tal, beltrano ou sicrano.

Mas Túlio revelou-me algo que quero compartilhar com você: me assegurou que a música espanta, de fato, a energia negativa. Segundo meu amigo, a melodia tem certos elementos astrais que conseguem quebrar e fazer as energias tóxicas sumirem no ar, higienizando e restaurando o ambiente. E me garante que não só escutar como também cantar ajuda a melhorar e harmonizar a energia do ambiente. Então, trate de soltar a voz no banheiro, porque cantar, efetivamente, seus males espanta. Palavra dos espíritos!

Túlio me disse também que há muito artista que continua fazendo sucesso no astral e que na minha fan page eu poderia, assim, se quisesse, colocar um vídeo de vez em quando, preferencialmente de um artista ligado à música, que já tivesse desencarnado. Seria uma maneira de o público saber que o artista já se foi; obviamente haverá artista com o qual você vai se surpreender em saber que já morreu, porque é aquele tipo de cantor que nunca ouviu falar mas sempre escutou a música no rádio, sabe?, como também postarei os “clássicos” desencarnados e que são admiradíssimos na outra dimensão, como Elvis Presley, Elis Regina ou Michael Jackson, para citar alguns.

Túlio também quer aproveitar para movimentar a página, deixá-la mais alegre, divertida, não só com mensagens e também com um objetivo que considerei nobre da parte dele: levantar o pique de um artista lá no astral que esteja precisando de uma “força” aqui da gente, do nosso carinho, da nossa lembrança, a fim de, quem sabe, se recuperar mais rapidamente de seus processos emocionais e voltar a cantar. De repente você clica, escuta, gosta, e o seu gesto produz uma energia boa que vai para esse artista que está precisando de um pouco de carinho.

Bom, vamos contribuir com mais alegria, porque música encanta e alegra o coração, restaura o sistema imunológico, traz jovialidade e, depois que soube que também ajuda a limpar o ambiente das energias pesadas, olha que coisa boa! Já vai uma dica para o dia que você receber aquela visita meio “cabeça pesada” em casa. A visita foi embora e…hum… liga o som e bota a música que você mais gosta, seja de um artista vivo ou morto!
Até a próxima.
Beijocas.